sexta-feira, maio 06, 2016

IMPRESSÕES: Desvendando o 'Latina' da Thalía


Imagem retirada do encarte do álbum "Latina"
Mais uma vez os holofotes estão direcionados para a cantora mexicana Thalía que está lançando mais um álbum de estúdio, intitulado "Latina", o disco da também atriz soa para muitos como um ato político embora as músicas não tenham nenhuma conotação político-partidária.

Embora pareça mínimo, o disco de Thalía vem para resgatar a representatividade latina em um momento onde a xenofobia nos Estados Unidos (país onde vive atualmente) é crescente, uma vez que parte da população norte-americana mais ligada ao conservadorismo tem declarado abertamente apoio ao empresário Donald Trump (pré-candidato a presidência dos EUA) que tem proferido uma série de ataques e comentários preconceituosos contra imigrantes latinos que lá vivem, mais especificamente contra os mexicanos.

Thalía nunca se declarou abertamente contra o empresário, mas em recentes entrevistas tem pedido e incentivado os imigrantes latinos a comparecerem às urnas nas próximas eleições presidenciais dos Estados Unidos, pois, o voto da comunidade latina será decisivo na escolha do sucessor de Barack Obama que trabalha para eleger Hillary Clinton como a primeira mulher presidente dos Estados Unidos, e agora vamos ao que interessa, o álbum.

Apesar do título fazer jus ao conteúdo do disco, podemos dizer que Thalía pecou um pouco na identidade visual de seu novo projeto discográfico, a capa do disco traz uma cantora apática e quase irreconhecível em uma foto com poucas cores que destoa completamente do material alegre e vibrante que se propôs a trazer.

"Ya basta con los boleros...de vez en cuando quiero una movidita"

Como já havíamos dito anteriormente o disco vem com uma proposta alegre e vibrante de despertar em todos os latinos o sentimento de amor e orgulho por sua cultura, e desta vez Thalía reduz a quantidade de baladas românticas que tanto nos acostumamos a escutar em seus trabalhos nos últimos tempos. Com o "Latina", Thalía nos mostra uma proposta ousada e digna de ser comparada com álbuns clássicos como o "En Éxtasis" (1995), "Amor a la Mexicana" (1997) e "Arrasando" (2000), uma vez que a nova produção da estrela mexicana traz a fusão perfeita de variados ritmos latinos que passam pelo reggaeton, ranchero, salsa, vallenato, bolero.

Thalía abre o disco com o grande hit deste projeto, a canção "Desde Esa Noche" gravada em parceria com o cantor colombiano Maluma, o single traz uma fusão do reggaeton com acordes e trompetes que nos lembram um pouco o gênero regional mexicano (banda/norteña). Sem dúvidas um dos maiores acertos da carreira de Thalía nos últimos anos, a canção tornou-se um sucesso incontestável que já soma quase 70 milhões de visualizações no canal oficial da cantora no VEVO (Clipe, Performance, Lyric Video, Cover Audio).

É com "La Movidita" que Thalía dá sequência ao seu CD, sem dúvidas uma das grandes supresas que a cantora nos proporcionou, com ritmos caribenhos e uma produção impecável que dá ao ouvinte a sensação de estar em uma festa genuinamente latina disfrutando de uma boa música ao vivo, tudo isso devido a nitidez do som dos instrumentos utilizados na canção, esta sem dúvidas é uma das mais fortes candidatas a single, e caso seja promovida a música de trabalho, certamente irá angariar o apoio dos fãs que tem recepcionado de maneira positiva esta canção nas redes sociais.

Ainda passeando por ritmos caribenhos, Thalía visita a Colômbia com a canção "De Ti", uma parceria com o colombiano Silvestre Dangond, um dos principais representantes do gênero vallenato, muito popular naquele país, e é ao som do acordeon e uma letra apaixonante que a cantora faz uma transição para a primeira balada do álbum, a canção "Vuélveme a Querer" que foi eleita por Thalía como o segundo single a ser enviado para as rádios para suceder a exitosa parceria com Maluma, a música certamente foi escolhida para satisfazer também os amantes das belas baladas que Thalía tem lançado ao longo de sua carreira, com uma letra mais bem elaborada o single mostra a voz da intérprete mais crua e uma interpretação repleta de nuances, o que torna certamente a música uma das mais complexas já lançadas pela protagonista de "Rosalinda".

Após a pausa para descansar de tantos ritmos delirantes, Thalía volta a beber na fonte da música urbana com uma leve pegada de reggaeton em "Todavía Te Quiero", uma parceria com o americo-porto-riquenho De La Ghetto, uma parceria surpreendente principalmente para quem está acostumado a ouvir o rapper cantando músicas como "Jala Gatillo" e "Fronteamos Porque Podemos" com uma linguagem mais ousada, desta vez junto com a Thalía, canta uma música mais leve que é um potencial-hit, sem dúvidas é outra forte candidata a single.

Com a canção "Frutas", Thalía faz um verdadeiro culto à alegria e positividade, uma inusitada parceria com a blogueira dominicana Chicky Bom Bom La Pantera que tem conquistado muitos fãs com seus vídeos carregados de positividade e repleto de pérolas que se tornaram bordões, entre suas mais célebres fãs está a cantora Olga Tañon e agora ninguém menos que Thalía que teve a genial ideia de convidar a dominicana para seu disco "Latina" lançando uma poderosa salsa ao clássico estilo Celia Cruz, a canção é uma composição da própria Chicky junto com a Thalía, Sergio George, Cory Rooney, Marcela de La Garza e até o próprio Tommy Mottola, esposo da diva mexicana.

"Frutas" é daquelas músicas que você precisa escutar de manhã para tomar uma injeção de ânimo e saber que a vida tem sabor de frutas, sem dúvidas se tornará um clássico na carreira de Thalía.

"Tiki Tiki Ta (Uno Momento)" originalmente da cantora croata Severina Kojić ganhou sua versão espanhol, a própria Thalía trabalhou na adaptação da canção que manteve sua estrutura pop original mas ganhou um tempero latino especial, outro grande destaque do álbum é a adaptação da grega "Πόσο σε θέλω" ou simplesmente "Poso Se Thelo" do cantor Κυριάκος Κυανός (Kiriakos Kianos) que passou a se chamar "Todo (Poso Se Thelo)" na versão de Thalía, outra surpreendente parceria da mexicana agora com o cantor jamaicano OMI, intérprete do hit "Cheerleader" e o cubano Jacob Forever, ex-integrante do famoso grupo Gente de Zona.

"Todo" chama a atenção por seu ritmo frenético, onde o produtor Sergio George não poupou auto-tune na voz de todos os intérpretes, algo bastante compreensível se tratando de uma música pop que tem tudo para emplacar nas baladas de toda a América Latina, quem sabe até no Brasil apesar da baixa aceitação que músicas em espanhol tem em nosso país.

Do pop frenético de "Todo" ao tropipop em "Te Encontraré", Thalía mais uma vez explora o romantismo de um ponto de vista positivo na letra da canção mantendo a proposta do álbum sem deixar também que a música caia no clichè de um instrumental meloso, ao mesmo tempo que surpreende com a participação de um misterioso rapper, algo até comum em suas produções discográficas.

O álbum se encerra com a apaixonante "Vivir Junto a Ti", uma canção que explora a sutileza da voz de Thalía e que muito lembra leveza das baladas do álbum "Amor a la Mexicana", a canção é composição de Marcela de la Garza, Sergio George e a própria Thalía que ao longo da carreira tem demonstrado ter propriedade não apenas para interpretar baladas, mas também para compor.


Os boleros

Quem acompanha e conhece a carreira da Thalía, sabe que a mesma tem o costume de fazer covers de músicas em seus discos, muitas vezes esses covers são de canções clássicas, o que sem sombra de dúvidas torna o trabalho mais desafiador, pois, nunca é fácil enfrentar comparações, especialmente quando se trata de clássicos. Desta vez, Thalía trouxe direto da década de 1960 as canções "Negra Pena" e "Enemigos", composições de Homero Aguilar  que foram eternizadas pela lendária diva mexicana Sonia López enquanto esteve à frente do grupo Sonora Santanera.

Além dos clássicos de Sonia Lopez, Thalía também regravou uma canção que para ela tem um significado especial, segundo a própria cantora a música "Poquita Fe" fez parte de sua infância, pois estava sempre tocando, sendo este o principal motivo que a fez gravar a canção de Bobby Capó, o avô do cantor Pedro Capó, com quem Thalía cantou o hit "Estoy Enamorada" no álbum "Primera Fila".

Clássicos são clássicos e não há como compará-los com as novas versões, mas uma coisa é certa, com sua interpretação e sob os cuidados do multi premiado produtor Sergio George, Thalía deu vida nova a estes boleros clássicos, sem se valer de pirotecnias musicais, apenas com seu talento e uma equipe de produção extremamente competente, a cantora mexicana muitas vezes desacreditada como intérprete conseguiu marcar vários pontos a seu favor, de maneira que não temos como não recomendar a todos que estão lendo estas modestas impressões que confiram o disco "Latina", não cabe dúvidas que ele entra na historia da carreira de Thalía, e quem sabe até se torna um clássico da música latina em espanhol, mas isso só o tempo será capaz de dizer.

Confira no Spotify 

Joel Neto Web Developer

Nenhum comentário: